sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Esse medo...


 

MEDO

Somente quando está ficando bom
Eu lentamente começo a congelar
Somente quando o sentimento é real
Eu coloco meu coração para dormir
É a memória, eu posso ver
Então esse medo vem sobre mim
Entenda que eu não queria
Afastar você de mim

Por que eu estou com medo
De me machucar e perder meu coração outra vez
Eu não sei, eu não posso ver, o que está vindo em mim
Por que eu estou com medo
De quebrar e perder minha mente outra vez
Eu não sei, eu não posso ver, o que está vindo em mim

Você tem um jeito de me facilitar de mim mesma
Eu não posso ficar, mas eu não posso ir,
Eu sou meu pior inimigo
Por favor entenda que não é você, é o que eu faço
Só quando estou para fugir, eu percebo o que me tornei

Por que eu estou com medo
De me machucar e perder meu coração outra vez
Eu não sei, eu não posso ver, o que está vindo em mim
Por que eu estou com medo
De quebrar e perder minha mente outra vez
Eu não sei, eu não posso ver, o que está vindo em mim

Agora, eu imagino o que você pensa de mim
Não sei porquê eu me machuco tão facilmente
Todos os meus medos estão me cercando
Eu não consigo nem dormir
Eu fico correndo em círculos ao redor de você
Você é a armadilha que eu quero cair

Por que eu estou com medo
De me machucar e perder meu coração outra vez
Eu não sei, eu não posso ver, o que está vindo em mim
Por que eu estou com medo
De quebrar e perder minha mente outra vez
Eu não sei, eu não posso ver, o que está vindo em mim

É assim que deve ser...

Eu tenho que dizer o que passa pela minha cabeça Alguma coisa sobre nós não parece certa atualmente
A vida continua...
Não importa se tentamos, de alguma forma o plano está sempre mudando
É difícil dizer, mas eu preciso fazer o que é melhor para mim
Você ficará bem...
Eu preciso seguir em frente e ser quem eu sou
Aqui não é o meu lugar
Espero que você entenda
Nós temos que achar o nosso lugar no mundo um dia
Mas por enquanto..
Eu tenho que seguir meu próprio caminho...
Não quero deixar tudo para trás
Mas eu tenho esperança, e vejo ela caindo o tempo todo
Uma outra cor vira cinza
E é muito difícil ver tudo isso vagarosamente desaparecer
Estou partindo hoje porque preciso fazer o que é melhor para mim
Você ficará bem...
Eu preciso seguir em frente e ser quem eu sou
Aqui não é o meu lugar
Espero que você entenda
Nós temos que achar o nosso lugar nesse mundo algum dia


Mas e nós?
E tudo o que nós passamos?
E a confiança?
Eu nunca quis te magoar
Mas e eu?
O que eu devo fazer?

Eu preciso ir, mas sentirei sua falta
Eu sentirei sua falta
Então...eu preciso seguir em frente e ser quem eu sou
Mas porque você tem que ir?
Aqui não é o meu lugar, espero que entenda
Estou tentando entender
Nós precisamos achar o nosso lugar no mundo um dia, mas ao menos agora...
Eu quero que você fique
:Eu quero seguir meu próprio caminho
Eu preciso seguir em frente e ser quem eu sou

Eu tinha...

Havia um tempo em que tudo era simples, pleno: quase tudo....
A segurança era pouca, parecia estável, mas foi engano e como não me acostumo bem com mudanças foi muito ruim...
Com isso na minha mente, uma existência passada.Aquilo que a gente sente, as vezes não vale nada...
E o que eu sinto me deixa confusa...a estrada que percorro é estreita.
Nunca estive só,mas é assim que me sinto agora (Sei que é só sensação...Tenho essa mania!)
Nesse momento um a um vai embora e eu fico aqui, sem poder fazer nada !
Eu tinha, eu tive...
Não tem a menor graça perder, não faz nenhuma falta aqui!


Juliana Barros

Minha mente confusa....

Queria estar contigo até o fim de sua partida,aproveitar cada momento de minha vida ao seu lado...
O vento tem várias direções, estamos em direções opostas...
Não quero só um dia com você...pra começar apenas um momento para fazer você mudar sua maneira de pensar, de agir....
Tenho tantas coisas pra te falar,mas o orgulho me aprisiona...
Não queria te esquecer, mas tenho que dá oportunidade para o meu coração e espaço para outras pessoas.
Sei que é tarde pra nós...o que resta é só AMIZADE, coisa que eu não quero!

JULIANA BARROS

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

Não olhe para mim

Todos os dias são tão maravilhosos, e de repente, fica difícil respirar
De vez em quando, eu me sinto insegura de toda a dor
Fico tão envergonhada
Eu sou bonita, não importa o que eles digam
Palavras não podem me abalar
Eu sou bonita de todas as maneiras
Sim, palavras não podem me abalar
Então não me abale hoje
Para todos os seus amigos, você é um delirio
Tão consumido pela sua condenação
Esforçando-se para preencher o vazio, a paz foi embora
Deixa o quebra-cabeça incompleto, é assim que deve ser?
Você é bonita, não importa o que eles digam
Palavras não podem te abalar
Você é bonita de todas as maneiras
Sim, palavras não podem te abalar
Então não me abale hoje
Não importa o que façamos
Não importa o que digamos
Somos a canção dentro da melodia , cheia de bonitos erros
E onde quer que formos
O sol sempre brilhará
E pode ser que amanhã acordemos no outro lado
Porque nós somos bonitos, não importa o que eles digam
Sim, palavras não vão nos abalar
Nós somos bonitos de todas as maneiras
Sim, palavras não podem nos abalar, oh não
Então não me abale hoje
Cristina Aguilera

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Ideias

O ser busca o outro ser, e ao conhecê-lo

acha a razão de ser, já dividido.
São dois em um: amor, sublime selo
que à vida imprime cor, graça e sentido.


"Amor" - eu disse - e floriu uma rosa
embalsamando a tarde melodiosa
no canto mais oculto do jardim,
mas seu perfume não chegou a mim.

Segredo 
A poesia é incomunicável.
Fique torto no seu canto.
Não ame.
Ouço dizer que há tiroteio
ao alcance do nosso corpo.
É a revolução?o amor?
Não diga nada.

Tudo é possível, só eu impossível.
O mar transborda de peixes.
Há homens que andam no mar
como se andassem na rua.
Não conte.
Suponha que um anjo de fogo
varresse a face da terra
e os homens sacrificados
pedissem perdão.
Não peça.

Que pode uma criatura senão,
entre criaturas, amar?
amar e esquecer,
amar e malamar,
amar,desamar, amar?
Sempre, e até de olhos vidrados, amar?

Que pode, pergunto, o ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão
rodar também, e amar?
amar o que o mar traz à praia,
o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia?

Amar solenemente as palmas do deserto,
o que é entrega ou adoração expectante,
e amar o inóspito, o áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina.

Este o nosso destino: amor sem conta,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão,
e na concha vazia do amor a procura medrosa,
paciente, de mais e mais amor.



Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita.

Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transige
na confluência do amor.
Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desejo, morto
o pântano sem acordes.

Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso,
anterior a fronteiras,

humildemente vos peço
que me perdoeis.

Quando os corpos passarem,
Eu ficarei sozinho
Desfiando a recordação
do sincero, da viúva e do microscopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanhecer
esse amanhecer
mais noite que a noite
No meio do caminho tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.



Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.
Carlos Drummond

A palavra mágica

1977 - DISCURSO DE PRIMAVERA E ALGUMAS SOMBRAS

Certa palavra dorme na sombra
de um livro raro
Como desencantá-la?
É a senha da vida
a senha do mundo.
Vou procurá-la.

Vou procurá-la a vida inteira
no mundo todo.
Se tarda o encontro, se não a encontro,
não desanimo,
produro sempre.

Procuro sempre, e minha procura
ficará sendo
minha palavra.

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Felicidade

Sorriso de criança

Sonhos de criança são colocados num cantinho dentro da gente e, talvez, venham a ser esquecidos por muito tempo dando lugar a realidade, esperança, descobrimento de um mundo onde também existe alegria, um tempo de tentativas, de glória ...Mas, sempre teremos dentro de nós aquele velho e lindo sorriso de criança!

quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Por que você ama quem você ama ?

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não-fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo à porta.


O amor não é chegado a fazer contas, não obedece a razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo.

Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais. Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca. Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.


Então que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.

Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não tem a maior vocação para príncipe encantado, e ainda assim você não consegue despachá-lo. Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita de boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama este cara? Não pergunte para mim.


Você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem o seu valor. É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar (ou quase). Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível. Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém. Com um currículo desse, criatura, por que diabo está sem um amor?

Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados. Não funciona assim. Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível. Honestos existem aos milhares, generosos tem às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!

Mas ninguém consegue ser do jeito do amor da sua vida!
Martha Medeiros

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Interrompendo as Buscas








ASSISTINDO AO ÓTIMO "CLOSER - Perto demais", me veio à lembrança um poema chamado "Salvação", de Nei Duclós, que tem um verso bonito que diz: "Nenhuma pessoa é lugar de repouso". Volta e meia este verso me persegue, e ele caiu como uma luva para a história que eu acompanhava dentro do cinema, em que quatro pessoas relacionam-se entre si e nunca se dão por satisfeitas, seguindo sempre em busca de algo que não sabem exatamente o que é. Não há interação com outros personagens ou com as questões banais da vida. É uma egotrip que não permite avanço, que não encontra uma saída - o que é irônico, pois o maior medo dos quatro é justamente a paralisia, precisam estar sempre em movimento. Eles certamente assinariam embaixo: nenhuma pessoa é lugar de repouso.

Apesar dos diálogos divertidos, é um filme triste. Seco. Uma mirada microscópica sobre o que o terceiro milênio tem a nos oferecer: um amplo leque de opções sexuais e descompromisso total com a eternidade - nada foi feito pra durar. Quem não estiver feliz, é só fazer a mala e bater a porta. Relações mais honestas, mais práticas e mais excitantes. Deveria parecer o paraíso, mas o fato é que saímos do cinema com um gosto amargo na boca.
Com o tempo, nos tornamos pessoas maduras, aprendemos a lidar com as nossas perdas e já não temos tantas ilusões. Sabemos que não iremos encontrar uma pessoa que, sozinha, conseguirá corresponder 100% a todas as nossas expectativas ¿ sexuais, afetivas e intelectuais. Os que não se conformam com isso adotam o rodízio e aproveitam a vida. Que bom, que maravilha, então deveriam sofrer menos, não? O problema é que ninguém é tão maduro a ponto de abrir mão do que lhe restou de inocência. Ainda dói trocar o romantismo pelo ceticismo, ainda guardamos resquícios dos contos de fada. Mesmo a vida lá fora flertando descaradamente conosco, nos seduzindo com propostas tipo "leve dois, pague um", também nos parece tentadora a idéia de contrariar o verso de Duclós e encontrar alguém que acalme nossa histeria e nos faça interromper as buscas.
Não há nada de errado em curtir a mansidão de um relacionamento que já não é apaixonante, mas que oferece em troca a benção da intimidade e do silêncio compartilhado, sem ninguém mais precisar se preocupar em mentir ou dizer a verdade. Quando se está há muitos anos com a mesma pessoa, há grande chance de ela conhecer bem você, já não é preciso ficar explicando a todo instante suas contradições, seus motivos, seus desejos. Economiza-se muito em palavras, os gestos falam por si. Quer coisa melhor do que poder ficar quieto ao lado de alguém, sem que nenhum dos dois se atrapalhe com isso?
Longas relações conseguem atravessar a fronteira do estranhamento, um vira pátria do outro. Amizade com sexo também é um jeito legítimo de se relacionar, mesmo não sendo bem encarado pelos caçadores de emoções. Não é pela ansiedade que se mede a grandeza de um sentimento. Sentar, ambos, de frente pra lua, havendo lua, ou de frente pra chuva, havendo chuva, e juntos fazerem um brinde com as taças, contenham elas vinho ou café, a isso chama-se trégua. Uma relação calma entre duas pessoas que, sem se preocuparem em ser modernos ou eternos, fizeram um do outro seu lugar de repouso. Preguiça de voltar à ativa? Muitas vezes, é. Mas também, vá saber, pode ser amor.
 
 
Martha Medeiros

quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Chico Buarque


Sonhar
Mais um sonho impossível
Lutar
Quando é fácil ceder
Vencer o inimigo invencível
Negar quando a regra é vender
Sofrer a torutura implacável
Romper a incabível prisão
Voar num limite improvável
Tocar o inacessível chão
É minha lei, é minha questão
Virar esse mundo
Cravar esse chão
Não me importa saber
Se é terrível demais
Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz
E amanhã, se esse chão que eu beijei
For meul eito e perdão
Vou saber que valeu delirar
E morrer de paixão
E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

O amor ausente

                       
Nem sempre a distância nos afasta;
Nem sempre os rastros nos levam a caminhos;
Nem sempre a separação nos separa; 
Nem sempre a solidão nos faz sozinhosNem sempre o amor ausente está distante
E nem sempre o amor distante está ausente.

Valdemir Mourão

.


Se eu fosse um peixe
Queria ter asas para voar
Poder ter amigos
Para sempre sonhar
Poder girar no ar
Dar-te a mão e gritar
Amo-te…
Para te ver passear
Mar, rio, ondas
Todo que eu tive
Para saberes
Que eu lá estive…


 
Feito por: Fátima Marques


Ilhavo

Cais de muita nau

Porto de pouco navio
Porão de bacalhau
Vazio...
Pintas com tintas tuas
Pelos becos...pelas ruas...
As casas...
Gritas agudos gritos
Aos granitos
Enegrecidos pelas brasas...
Nas lareiras...
E aos das soleiras...
Maculados pela sombra de asas
De suas aves prisioneiras...
Cais com cal tua
A campa nua
Dos mares...
Gritas graves gritos
Aos granitos
Das pedras tumulares
Dos marinheiros mortos
Nos pertos portos
Dos longes lares...
E endireita-lhes os crucifixos e os retratos... tortos...


Autor: Augusto Manuel Silva Nunes

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

O PERMANENTE E O PROVISÓRIO





O casamento é permanente, o namoro é provisório. O amor é permanente, a paixão é provisória. Uma profissão é permanente, um emprego é provisório. Um endereço é permanente, uma estada é provisória. A arte é permanente, a tendência é provisória. De acordo? Nem eu. Um casamento que dura 20 anos é provisório. Não somos repetições de nós mesmos, a cada instante somos surpreendidos por novos pensamentos que nos chegam através da leitura, do cinema, da meditação. O que eu fui ontem, anteontem, já é memória. Escada vencida degrau por degrau, mas o que eu sou neste momento é o que conta, minhas decisões valem pra agora, hoje é o meu dia, nenhum outro. Amor permanente... como a gente se agarra nesta ilusão. Pois se nem o amor pela gente mesmo resiste tanto tempo sem umas reavaliações. Por isso nos transformamos, temos sede de aprender, de nos melhorar, de deixar pra trás nossos imensuráveis erros, nossos achaques, nossos preconceitos, tudo o que fizemos achando que era certo e hoje condenamos.O amor se infiltra dentro da nós, mas seguem todos em movimento: você, o amor da sua vida e o que vocês sentem. Tudo pulsando independentemente, e passíveis de se desgarrar um do outro.Um endereço não é pra sempre, uma profissão pode ser jogada pela janela, a amizade é fortíssima até encontrar uma desilusão ainda mais forte, a arte passa por ciclos, e se tudo isso é soberano e tem valor supremo, é porque hoje acreditamos nisso, hoje somos superiores ao passado e ao futuro, agora é que nossa crença se estabiliza, a necessidade se manifesta, a vontade se impõe – até que o tempo vire.Faço menos planos e cultivo menos recordações. Não guardo muitos papéis, nem adianto muito o serviço. Movimento-me num espaço cujo tamanho me serve, alcanço seus limites com as mãos, é nele que me instalo e vivo com a integridade possível. Canso menos, me divirto mais, e não perco a fé por constatar o óbvio: tudo é provisório, inclusive nós.

Sonho


O que valeria a vida
Se não fossem os sonhos?
O que valeria os sonhos
Se não fossem os sonhos
E se não fossem breves, leves, livres?
O que seria dos sonhos
Se não valessem sonhos?
O que seria da vida
Se não valesse um sonho?
Valeriam os sonhos seu mundo enfeitado
Sua imaginação, a nossa preocupação?
Ou os sonhos sonhados
Seriam apenas lembrados?”

quinta-feira, 5 de agosto de 2010




Blábláblá

Acho a maior graça. Tomate previne isso,cebola previne aquilo, chocolate faz bem, chocolate faz mal, um cálice diário de vinho não tem problema, qualquer gole de álcool é nocivo, tome água em abundância, mas não exagere...
Diante desta profusão de descobertas, acho mais seguro não mudar de hábitos.

Sei direitinho o que faz bem e o que faz mal pra minha saúde.
Prazer faz muito bem.
Dormir me deixa 0 km.
Ler um bom livro faz-me sentir novo em folha.
Viajar me deixa tenso antes de embarcar, mas depois rejuvenesço uns cinco anos.
Viagens aéreas não me incham as pernas; incham-me o cérebro, volto cheio de idéias.
Brigar me provoca arritmia cardíaca.
Ver pessoas tendo acessos de estupidez me
embrulha o estômago.
Testemunhar gente jogando lata de cerveja pela janela do carro me faz perder toda a fé no ser humano.
E telejornais... os médicos deveriam proibir - como doem!
Caminhar faz bem, dançar faz bem, ficar em silêncio quando uma discussão está pegando fogo,
faz muito bem! Você exercita o autocontrole e ainda acorda no outro dia sem se sentir arrependido de nada.
Acordar de manhã arrependido do que disse ou do que fez ontem à noite é prejudicial à saúde!
E passar o resto do dia sem coragem para pedir

desculpas, pior ainda!
Não pedir perdão pelas nossas mancadas dá câncer, não há tomate ou mussarela que previna.
Ir ao cinema, conseguir um lugar central nas fileiras do fundo, não ter ninguém atrapalhando sua visão, nenhum celular tocando e o filme ser espetacular, uau!
Cinema é melhor pra saúde do que pipoca!
Conversa é melhor do que piada.
Exercício é melhor do que cirurgia.
Humor é melhor do que rancor.
Amigos são melhores do que gente influente.
Economia é melhor do que dívida.
Pergunta é melhor do que dúvida.
Sonhar é melhor do que nada!

terça-feira, 6 de julho de 2010

Certezas

Não quero alguém que morra de amor por mim…
Só preciso de alguém que viva por mim, que queira estar junto de mim, me abraçando.
Não exijo que esse alguém me ame como eu o amo,
quero apenas que me ame, não me importando com que intensidade.
Não tenho a pretensão de que todas as pessoas que gosto, gostem de mim…
Nem que eu faça a falta que elas me fazem, o importante pra mim é saber que eu, em algum momento, fui insubstituível…
E que esse momento será inesquecível..
Só quero que meu sentimento seja valorizado.
Quero sempre poder ter um sorriso estampando em meu rosto, mesmo quando a situação não for muito alegre…
E que esse meu sorriso consiga transmitir paz para os que estiverem ao meu redor.
Quero poder fechar meus olhos e imaginar alguém…
e poder ter a absoluta certeza de que esse alguém também pensa em mim quando fecha os olhos,
que faço falta quando não estou por perto.
Queria ter a certeza de que apesar de minhas renúncias e loucuras,
alguém me valoriza pelo que sou, não pelo que tenho…
Que me veja como um ser humano completo, que abusa demais dos bons
sentimentos que a vida lhe proporciona, que dê valor ao que realmente
importa, que é meu sentimento… e não brinque com ele.
E que esse alguém me peça para que eu nunca mude, para que eu nunca
cresça, para que eu seja sempre eu mesmo.
Não quero brigar com o mundo, mas se um dia isso acontecer, quero ter
forças suficientes para mostrar a ele que o amor existe…
Que ele é superior ao ódio e ao rancor, e que não existe vitória sem humildade e paz.
Quero poder acreditar que mesmo se hoje eu fracassar, amanhã será outro dia,
e se eu não desistir dos meus sonhos e propósitos,
talvez obterei êxito e serei plenamente feliz.
Que eu nunca deixe minha esperança ser abalada por palavras pessimistas…
Que a esperança nunca me pareça um “não” que a gente teima em maquiá-lo de verde e entendê-lo como “sim”.
Quero poder ter a liberdade de dizer o que sinto a uma pessoa, de poder
dizer a alguém o quanto ele é especial e importante pra mim,
sem ter de me preocupar com terceiros…
Sem correr o risco de ferir uma ou mais pessoas com esse sentimento.
Quero, um dia, poder dizer às pessoas que nada foi em vão…
Que o amor existe, que vale a pena se doar às amizades e às pessoas,
que a vida é bela sim, e que eu sempre dei o melhor de mim…
e que valeu a pena.




Mário Quintana

sábado, 3 de julho de 2010

Vida real

Cai a noite sobre a minha indecisão
Sobrevoa ao inferno, minha timidez
Um telefonema bastaria, passaria limpo a vida inteira
Cai a noite sem explicação, sem fazer a ligação
Na hora da canção, em que eles dizem baby, eu não soube o que dizer
A vida real...
Esperei chegar a hora certa por acreditar que ela viria
Deixei no ar a porta aberta
No final de cada dia
Cai a noite doce escuridão, de madura vai ao chão...
Na hora da canção em que eles dizem, baby...
Eu não soube o que dizer...
Na hora da canção em que eles dizem...baby
Eu não soube o que dizer...
A vida real, a vida real, como é que eu troco de canal...
Na hora da canção em que eles dizem, baby...
Eu não soube o que dizer...
Na hora da canção em que eles dizem, samba
Eu não soube o que dizer...
A vida real... a vida real...
Tchau!

O essencial é invisível aos olhos

Trecho do livro O pequeno príncipe de Antoine De Saint Exupery....É necessário abrir os olhos e perceber que as coisas boas estão dentro de nós, onde os sentimentos não precisam de motivos nem os desejos de razão. O importante é aproveitar o momento e aprender sua duração, pois a vida está nos olhos de quem sabe ver...• Não sei se estou perto ou longe demais, se peguei o rumo certo ou errado. Sei apenas que sigo em frente, vivendo dias iguais de forma diferente. Já não caminho mais sozinha. Levo comigo cada recordação, cada vivência, cada lição. E mesmo que tudo não ande da forma que eu gostaria, saber que já não sou a mesma de ontem me faz perceber que valeu a pena ;)

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Poeta, eu?

Não sou poeta...
Sou apenas uma eterna amante da vida,da poesia, e da incrível arte do amor!
E assim,expresso em palavras todos os sentimentos que transbordam da minha alma...

Transcendendo minha alma...
Revivo os momentos que aprendi a amar de outra forma.
O que é o tempo comparado com o amor que te sinto?
...

Invisíveis mas não ausentes

"Quando morreu, no século XIX, Victor Hugo arrastou nada menos que dois milhões de acompanhantes em seu cortejo fúnebre, em plena Paris.
Lutador das causas sociais, defensor dos oprimidos, divulgador do ensino e da educação. (ver: Vitor Hugo um homem extraordinário)
O genial literato deixou textos inéditos que, por sua vontade, somente foram publicados após a sua morte.
Um deles fala exactamente do homem e da imortalidade e traduz-se mais ou menos nas seguintes palavras:
"A morte não é o fim de tudo. Ela não é senão o fim de uma coisa e o começo de outra"
Na morte o homem acaba, e a alma começa.


Que digam esses que atravessam a hora fúnebre, a última alegria, a primeira do luto.

Digam se não é verdade que ainda há ali alguém, e que não acabou tudo?



Eu sou uma alma.
Bem sinto que o que darei ao túmulo não é o meu eu, o meu ser.

O que constitui o meu eu, irá além.






O homem é um prisioneiro.

O prisioneiro escala penosamente os muros da sua masmorra.

Coloca o pé em todas as saliências e sobe até ao respiradouro.
 
 

Aí, olha, distingue ao longe a campina, Aspira o ar livre, vê a luz




Assim é o homem.

O prisioneiro não duvida que encontrará a claridade do dia, a liberdade.

Como pode o homem duvidar se vai encontrar a eternidade à sua saída?




Por que não possuirá ele um corpo subtil, etéreo.

De que o nosso corpo humano não pode ser senão um esboço grosseiro?


A alma tem sede do absoluto e o absoluto não é deste mundo.

É por demais pesado para esta terra.


O mundo luminoso é o mundo invisível.

O mundo do luminoso é o que não vemos.

Os nossos olhos carnais só vêem a noite.


A morte é uma mudança de vestimenta.

A alma, que estava vestida de sombra,vai ser vestida de luz.


Na morte o homem fica sendo imortal.

A vida é o poder que tem o corpo de manter a alma sobre a terra, pelo peso que faz nela.



A morte é uma continuação.

Para além das sombras, estende-se o brilho da eternidade.




As almas passam de uma esfera para outra, tornam-se cada vez mais luz.

Aproximam-se cada vez mais e mais de Deus.






O ponto de reunião é no infinito.

Aquele que dorme e desperta, desperta e vê que é homem.

Aquele que é vivo e morre, desperta e vê que é Espírito”.




"Não há nada como o sonho para criar o futuro. Utopia hoje, carne e osso amanhã." (Victor Hugo)